Distúrbios do Sono

O despertador toca e você tem vontade de vestir a camisa de irresponsável e continuar dormindo. Por necessidade. Se seguir o que deseja naquele momento, não cumprirá o horário de trabalho, da faculdade, da escola ou do que quer que seja. Mesmo tendo um chefe bravo. Mas aí você junta uma força não sei de onde e se levanta, praticamente um zumbi. Os neurônios parecem que não se comunicam naquele momento. Ao longo do dia, ganha um pouco mais de energia, melhor do que aquele estado difícil da manhã, mas aquém do que seria seu alerta normal. Sente sono, toma um cafezinho e cumpre suas obrigações. Até que, no dia seguinte, toca de novo o bendito despertador e você direciona toda a sua raiva para o pobre aparelho...

Quando finalmente chega o fim de semana, você dorme com a alegria de quem vai acordar quando o corpo mandar. E ele manda você acordar 11h, meio-dia... Até que vem a segunda-feira.... Quem conhece alguém com essa história?

* PRIVAÇÃO DE SONO

Quando os compromissos impedem que você durma o suficiente

Nossa sociedade tem estado cada vez mais privada de sono. Queremos fazer cada vez mais atividades, e muitas vezes prejudicamos o sono para conseguirmos tudo. O problema disso é o preço alto que já estamos pagando. Quais são as consequências conhecidas que estamos colhendo? Redução da qualidade de vida e da produtividade, aumento de acidentes, alterações físicas (hormonais, do sistema imunológico, de peso, do açúcar, no sangue e da pressão), irritabilidade, cansaço, prejuízos na atenção, concentração, memória, etc. E as consequências de se dormir menos do que o necessário já pode acometer as crianças, que podem se tornar irritadas, mais tímidas, diminuir seu desempenho na escola...

É importante, por fim, nos conscientizarmos da importância de dormirmos bem e a quantidade de que precisamos dentro do possível. Dormir é tão importante e básico quanto comer. “Assim como a fome é um sinal que reflete a necessidade de alimento, a sonolência é um sinal cerebral que reflete a necessidade de sono (TUFIK, 2008, p. 416)”. Se pudermos aliar a esses dois pilares o exercício, estaremos então cumprindo o tripé para termos uma melhor saúde, como tantos pesquisadores já demonstraram. Vamos tentar, mesmo que façamos devagar, uma mudança?

Uma pessoa quando dorme menos do que ela precisa (atenção para o grifo: menos do que ELA precisa, pois as necessidades variam de um indivíduo para outro) pode estar com a Síndrome do Sono Insuficiente. As características da síndrome são a presença de sonolência diurna, um desempenho profissional/ acadêmico/ social prejudicados devido ao sono, um período de sono encurtado pelo uso de despertador ou por alguém que acorde a pessoa, e um período de sono aumentado nos fins de semana ou nas férias. Outra característica é o fato de resolvermos os sintomas quando o tempo total de sono é estendido, ou seja, quando a pessoa consegue dormir durante mais tempo, ela acorda bem e disposta.

Fontes:

American Academy of Sleep Medicine. International Classification of Sleep Disorders, 3rd ed.

Darien, IL: American Academy of Sleep Medicine, 2014.

Tufik, Sergio. Medicina e biologia do sono / Sergio Tufik. – Barueri, SP: Manole, 2008.